Opus

Foto: Helena Chiarello - arquivo pessoal

Cerram-se as cortinas.
No espaço vazio,
assombram as paredes
os ecos perdidos
de um canto solo.
Caídas as máscaras
e a fantasia.
No palco,
um drama interrompido
encerra a dança trágica
de um corpo em estado de grito.
A noite e o silêncio
protagonizam em coro
as últimas cenas da solidão.
Muda apoteose.


Helena Chiarello

2 comentários:

gaivotadourada22 disse...

"Opus, Memória, Imperfeição, Clarear, A vagar, Em cores,retalhos...,Despeço-me...,Além do sonho, Divagação, Em silêncio, Desespaço, Uma voz, Beijo, Assombro, Intenção"...Um Setembro de Poemas...uma primavera em Poesias...Você? ...Você é uma Estação Poeta! Lindo Setembro, maravilhosa Primavera, amada Estação!
Beijos em seu imenso Coração, minha querida amiga!Adoro Você!

Ellen Veloso Soares disse...

Poesia forte! É grito, é choro, é indignação! É ilusão, é cena, é arte! É representação!! Lindo!