Redenção

Foto: Anderson Fabiano - arquivo pessoal

Meu corpo é templo calado

de intenções e de pecados
que ouso ter, sem cuidado
e sem preceitos distintos
em meus instintos capitais...
Minha vontade tem nome,
é febre, sede que consome,
sou avareza e cobiça,
sou a gula que me atiça
muito mais que simples fome...
Tenho segredos ungidos,
tão afogados, fingidos!...
Sou da pressa a preguiça,
domino e sou submissa,
sou castidez e luxúria,
tenho virtudes e fúria.
Se provei do amor a inveja
também sei do ciúme a ira...
São veniais os meus brados,
escalo sem fé os ritos,
recito em silêncio ou gritos
meus atos de penitência,
meus gestos de contrição...
Para o orgulho, apunhalado,
não há bênção nem disfarce.
Eu recuso a outra face
mesmo quando junto as mãos...
Se minha vontade é crime
eu ponho minh’alma em grãos...
Mas não quero a penitência
dessa dor que não redime,
dessa falta que me oprime
por tantas vaidades vãs.
Quero comungar in corpus
meu cálice que transborda,
quero o indulto que conforta
o ontem de várias crenças,
a fé tão falha de hoje,
a imprecisão do amanhã....

...Pois quando estou a teu lado
nenhum desejo é pecado.
Sempre sou absolvida
e por amor, redimida
da minha intenção pagã...


Helena Chiarello



13 comentários:

Chica disse...

Maravilha e quando há amor não pode existir culpa.LINDO! beijos,tudo de bom,chica

Jefferson Dieckmann disse...

Sem comentários... Ou seriam necessários "cem" comentários? Perfeitamente belo e verdadeiro! Parabéns, poetisa! Abraços!

quicas disse...

Grito apaixonado e revoltado entre contrastes, dúvidas, incertezas?...
Uma certeza, enfim: a redenção para quem ama!
Poema que me encantou, Helena, os meus sinceros parabéns!

Anderson Fabiano disse...

lê,
...então, tomo-lhe como um cálice (sacro e profano) e bebo sua poesia como meu néctar salvador. purifico-me e abençôo a esquina da vida, que nos pôs frente a frente.
amo você, lourinha.
meu carinho (sempre)

Triste Flor disse...

E essas intenções caladas gritam a todo instante... lindoooo, obrigada, por existir rs amodoro, muitooooo. saudades.

Maria Helena Sleutjes disse...

Destaco: "Quero comungar in corpus meu cálice que transborda" - que expressão feliz capaz de traduzir certeza de si e volúpia. Lindo demais!
Bjos

Diana disse...

O teu blog é realmente cheio!
Tem muito, tanto!
Tudo de bom!
Diana

http://omeucadernoverde.blogspot.com/

DANTE disse...

Assim, em versos como os teus, nunca é pecado! Com saudades...apareça! Um beijo com carinho

mundo azul disse...

___________________________________


Não há como ser profano, um amor verdadeiro... Amor é sagrado em toda a sua plenitude!

Lindo seu poema!


Beijos no coração e o meu carinho...


_______________________________

Cleoni disse...

Pois quando estou a teu lado nenhum desejo é pecado. Sempre sou absolvida e por amor redimida da minha intenção pagã...
Me dá licença, né? Que que é isso?? Lindo demaisssss!
Eu queria copiar e não deu! Manda no email p mim, manda, manda, manda? rsrs
Saudade e bjussssssssss, miguxa! ;)

Anne Lieri disse...

Helena,no amor tudo vale a pena pois a alma não é pequena...rsss....Lindo demais seu poema,amiga!Fico embevecida cada vez que te leio!Bjs,

Anne Lieri disse...

Helena,passando novamente para reler essa belíssima poesia e agradecer seu carinho!Bjs,

zenalim disse...

Dizer o quê? Simplesmete belezura!