Alegoria

Foto: Helena Chiarello - arquivo pessoal

E quando nos faltar
o fôlego,
vamos respirando
a vontade,
as coisas vividas,
aquelas promessas,
esse momento.
É só fechar os olhos
e rir,
pra suportar
distraídos
as dores invisíveis
do tempo.
O que parece irrespirável
pode ser apenas
mudança súbita
de estação.
E a vertigem da ilusão                        
pode estar logo ali,
no próximo sopro
do vento.


Helena Chiarello

Um comentário:

Carmem Grinheiro disse...

Olá, Helena.
Tão bom quando constatamos que, afinal, o que parecia irrespirável não é. O que parecia inultrapassável foi, enfim, ultrapassado e sobrevivemos.

bj