Consciência

Foto: Helena Chiarello - arquivo pessoal

As horas que passam,
num compasso cadenciado e certo,
dispersam-me da solidez do tempo
e me conduzem à abstrata linha
que limita intuição e realidade.
É um momento mágico
em que meu corpo, preso à terra,
desprende-se,
solta-se no ar como o pensamento que voa.

                           Costumava sofrer as horas,
                           contar os segundos de cada coisa
                           tão desnecessariamente urgente,
                           pendurada nos ponteiros de um tempo
                           que, tão alheio à minha vontade,
                           ria-se de tudo e passava sempre.
                           Agora,
                           toda urgência é a vontade imensa
                           de andar cada vez mais devagar
                           em direção à pressa.

Abstraio-me da agitação,
esqueço as horas
e volto-me ao infinito.
É assim que crio,
em meio aos tantos ruídos,
o silêncio necessário
para tudo que preciso ouvir.
É assim que crio,
em meio à profusão de imagens,
a claridade necessária
para tudo o que preciso ver.
E paro e sinto
e vejo e ouço a vida.
Contemplo o universo
e o mistério.
E a magia de cada sensação
é o ar que gosto de respirar.
Assim me sinto parte e todo.
Assim me sinto
deserto e grão de areia,
oceano e gota de orvalho,
floresta e folha carregada pelo vento.
E o meu olhar interior,
perplexo,
compreende a vida.

                           Intensa é a emoção que expande-se,
                           volátil,
                           e esvoaça nas asas da brisa.


Helena Chiarello

19 comentários:

joaquimdocarmo disse...

Imunes à "ditadura do tempo", a(s) "coisa(s) tão desnecessariamente urgente(s)" dão espaço à emoção e... nasce o poema!
Gostei de acompanhar estes momentos tão maravilhosos de partilha de emoções!
Beijinho

Su disse...

Helena, meus dedos se perderam agora nesse teclado... Pensei até em nem escrever, em colocar pontinhos, exclamações, algo que pudesse "fotografar" a minha alma e se transportasse para cá em forma de símbolos, escrita, letrinhas soltas, sei lá... tentando expressar o que eu senti lendo essa poesia, é tão perfeita, a cada palavra via a mim mesma, o dia a dia, o tempo que não dá mais tempo... o passar dos segundos, das horas dos dias... que lindo, emocionante, verdadeiro e quanta sensibilidade... Se tem alguém especial por aqui, esse alguém é você! Acho que no último recado disse que você escrevia com a alma, hoje repito que você escreve com a alma e acrescento o coração, os sentidos e tudo que há de mais vivo dentro de ti. Um beijo e um lindo dia! Su...

✿ chica disse...

Helena querida!

isso é simplesmente maravilhoso...


Conseguir deixar pra trás o danadinho do relógio e passar a simplesmente aproveitar, livre, leve e solta , todas as emoções dos momentos como eles se apresentam...



LINDO! Parabéns!


um dia maravilhoso e tuuuuuuuuuudo de bom, hoje e sempre,chica

Anderson Fabiano disse...

Stella mia,

“Così mi sento
deserto e granello di sabbia,
oceano e goccia di rugiada,
foresta e foglio caricato dal vento.
E il mio sguardo interiore,
perplesso,
capisce la vita.”

Così ti sento, amore mio,
Irrequietezza, ricerca, turbolenza
In un processo permanente
Di reunion con voi.
Creatore e creatura...
Per voi, coscienza,
Ma si può chiamare un incontro con il Sacro...

Ti amo, poetinha! Sempre.

Barba

manuela barroso disse...

Querida Helena!

Mas...pensei que estava a ler os meus pensamentos, pensei que estava a reinventar-me numa miragem de mim!
E o tempo, e "o andar devagar em direção à pressa" (lindo!...), e o silêncio, o cúmplice amigo presença de nós, que se casa tantas vezes com o Infinito...no Infinito dos dias finitos...
Um "poema oblíquo" que transfere toda a carga de sentimento enorme para o espaço mental...de que lê!
Profundo, belo...
...se eu disser que é "uma parte de mim"...talvez possa confirmar...
Só que eu queria "andar mais devagar..." porque tenho pressa!
Palavras?
A Helena já disse tanto...
Oh, miga, gostei mesmo!
Aquele abraço enorme, poetisa!

Leninha disse...

Helena querida,em cada poema uma viagem perfeita ao inconsciente de cada um...você coloca em palavras aquilo que sentimos e não conseguimos expressar,exprimir...
Lirismo,emoção,sentimento profundo em cada verso...e mais não posso e nem devo dizer,pois,como já afirmou nossa querida Manuela,você já disse tudo...
Um beijo e muito carinho,Leninha.

Anne Lieri disse...

Helena,quando escreve é como se o tempo parasse e o que ocorre em volta fica em suspenso para ser retomado depois!Um belíssimo e profundo poema,de revelação mesmo!Amei!Bjs,

MARILENE disse...

Você se aprofundou de uma forma clara e bela. Mostrou os olhos da alma, com os quais precisamos ver. Mostrou a importância dos passos, que não precisam ser rápidos para se chegar ao fim do aminho.

Bjs.

Ricardo Miñana disse...

Muy bonita la poesía, un gusto leerte, gracias por compartir.
deseo tengas un feliz fin de semana.

Leninha disse...

Um lindo dia das Mães para você,minha querida amiga.Bjssss,LENINHA

mhelena disse...

Tomar consciência da magia de existir assim como você traduziu neste poema, neste voo aberto sobre o infinito.
Bjos

jt disse...

nice .. i like ..

Leninha disse...

Querida Xará,meu último comentário se perdeu entre as brumas ou entre o ruço que cobre esta cidade serrana...Mas,Como não me lembro do conteúdo,só quero te desejar um final de semana muito feliz,com paisagens lindas ppá vc fotografar.
Me ensina um pouco deste teu olhar?


Bjssss,Leninha.

MARILENE disse...

Voltei (rss), para fazer um pedido.

Por indicação da Van (RETALHOS DO QUE SOU), agraciada com o selo do "blog da semana", estou concorrendo ao mesmo. Se votar no meu blog umcanto-recantodaalma.blogspot.com , ficarei muito feliz. A votação é no
http://wwwwillblog.blogspot.com/,
idealizador do selo.

Obrigada
Bjs.

Leninha disse...

Estou com saudades de ti...estás muito desaparecida...onde as postagens lindas,onde os poemas encantadores,onde o sonho???
Bjssssss,Leninha.

Talantalado disse...

essas palavras são muito bonitas.

até parece uma experiencia mística.

abraço!

manuela barroso disse...

Minha Amiga Princesa!
Vim aqui...estar um pouco contigo!
Podia ser noutro sítio iguamente belo!
Mas fiquei prisioneira desta poesia tão linda, tão verdadeiramente bela e real!
"Assim me sinto parte do todo..."
è isso querida amiga, esse Todo que nos preenche a Alma e então...esse gãr de areia vira estrela no Universo!
E nunca mais sairia daqui!
Aquele abraço!
Está-se bem aqui!!
Manu

Gaivotadourada22 disse...

Lê...

Nossa... Não tinha lido ainda esta maravilha, um Poema que transcende e aninha-se na ALMA, que nos revela a verdadeira importância de viver, de caminhar os caminhos e conseguir sentir o que não termina, o que é infinito... Ter esse vislumbre, Minha Amiga, é para quem navega na essência, para quem tem o sentimento como AR da Realidade, para quem sabe do Amor e sabe Amar...
Um beijo no seu coração lindo!

Milla Pereira disse...

Bom dia, minha linda! Hj estou passeando por essas veredas poéticas de seu Blog. Amei tudo! Bjs, Milla