Fragrância

Foto: Helena Chiarello - arquivo pessoal

Fecho os olhos
para ouvir os segredos
da tarde que escapa
por entre os ramos.
Uma última claridade
enrosca-se
num murmúrio de vento
como se quisesse agarrar-se
à impermanência do tempo.
Pétalas e penumbra
se misturam
e um afago de dracena
enche a varanda e o coração
de pequenos deslumbramentos.

Suspiro o silêncio e aromas
      l    e    n    t    a   m    e    n    t    e
só pra não desperdiçar
essa felicidade
tão volátil.


Helena Chiarello

7 comentários:

✿ chica disse...

LINDÍSSIMO!!! E, cada vem menos, podemos desperdiçar sequer milésimos de segundos de felicidade. Abraçar todos, agarrar o quanto pudermos...

Assim,nosso estoque fica garantido e, nos dias cinzas, quando ela não quiser se fazer presente, podemos tê-los por perto...Fatalmente chega a hora em que teremos lembranças deles e nos farão muito bem!


beijos,tuuuuuuudo de bom,chica

Ana Miranda disse...

Helena,

Como é prazeroso ler sua poesia!!!

Puro encantamento...

Gaivotadourada22 disse...

Sempre me encanto com teus Poemas e a verdade de tua Poesia!!!
... Qualquer descuido pode nos levar ao desperdiço, o que colocaria a vida em angustiante lamento... É sábio abraçar todo o florir, pois nos presenteiam com perfume e cor!!!
Um beijo grande amiga do Coração!!!

mhelena disse...

Ah, este perfume de rosas inundando a vida! Que delícia!! Bjos

Anderson Fabiano disse...

Stella mia,

Ainda ontem, nossa dracena trouxe-nos o encantamento tão bem cantado aqui.

Um afago silencioso que envolveu nossa varanda de tantas histórias.

E, então, nada foi volátil, tudo foi (uma vez mais) pra sempre.

Lindo, meu amor, lindo!

Amo você, Poetinha!

Barba

MARILENE disse...

Que belo! Um instante de sensibilidade e de prazer que descreveu de forma especial. Bjs.

manuela barroso disse...

Sabes Helena? Pareceu-me visualizar esta cena idílica e paradisiaca.
Natureza, tempo, vento. Tudo volátil sim, mas tão intenso de sentires que nos entram na pele, que se agarra a ela para sempre.
Um poema que tem toda a ternura do amor em consonância com a vida que nos sabes tão bem traduzir em poesia tão bela!
Abraçodoceamiga!