Isso em mim

Foto: Helena Chiarello - arquivo pessoal

Ainda não tem nome esse desejo,
esse ímpeto,
essa coisa que me impulsiona,
que me põe o corpo leve,
a alma acesa,
a vontade aberta em ventos fortes
e me faz sentir o prazer do espaço
e o poder de minhas próprias asas.


(Isso que sinto é apenas o hábito

de um mundo imensamente maior,
por tanto tempo fora de mim,
que quase o havia esquecido).

                                                   Liberdade?


Liberdade é pouco.

O que eu desejo ainda não tem nome.



Helena Chiarello

(Con permiso, Clarice...)


7 comentários:

Paula Souzza. disse...

ah, ler isso me trouxe tranquilidade!

Adolfo Payés disse...

Perdón por mi ausencia de estos días.. no me siento muy bien de ánimos.. Ya mas tranquilo me pondré al día con sus blog.. mas adelante.
Lo siento.

Un abrazo
Saludos fraternos..

Anderson Fabiano disse...

leninha,
há voos que nos levam pra bem alto, outros que nos levam pra bem longe, outros ainda, que nos lançam no desconhecido. mas, creio, que os melhores voos são os que nos levam de volta pra nossas verdadeiras essências.
com tod meu carinho,
te beijo, então,
anderson fabiano (barba)

Triste Flor disse...

Então voe minha amiga,Solte-se ao vento, ao tempo, a esse tempo que logo passa, voe com ou sem direção, a favor ou na contra-mão, mas voe guiando-se sempre pelo seu lindo coração...

Por que a liberdade nos garante passos mais firmes em busca da felicidade...

Amodoro rs muitooooooooo, bjão na alma.

Gaivotadourada22 disse...

... É verdade amiga do coração!!! A essência das asas não é o vôo, mas o espaço que elas abrigam e o vento que as abraça, isto as tornam íntegras...
Mil aplausos, Poema lindoooo! Beijos Lê!

Anne Lieri disse...

Helena,mais que voar é preciso ter a ânsia de viver!Muito linda sua poesia!Adoro te ler sempre,amiga!Bjs,

Ellen Veloso disse...

Ahhhh... eu também quero dessa coisa sem nome que nos faz alçar o voo sem reservas! Lindo!!!